O estado novo e o volfrâmio (1933-1947): actividade mineira, "grande depressão" e segunda guerra mundial: actividade mineira, "Grande Depressão" e Segunda Guerra Mundial

Portada
Imprensa da Universidade de Coimbra / Coimbra University Press, 1 mar. 2010 - 576 páginas
0 Reseñas
Visa-se neste livro reconstituir e analisar a evolução do subsector luso do volfrâmio, quer na década de 1930 — etapa de crise e paulatina reativação —, quer ao longo dos anos quarenta, com destaque para o período da Segunda Guerra Mundial (fase de “euforia especulativa”). Observa-se, ainda, a título de contextualização, o período que decorreu entre o início da mineração do tungsténio em Portugal continental (1871) e o promulgar da “Lei de Minas do Estado Novo” (Julho de 1930), passando pela Primeira Grande Guerra (1914-1918). Sendo o volfrâmio um “metal estratégico”, presta-se a atenção às vertentes económica e social, cultural e ideológica, mas, também, política e diplomática do “objeto global” em causa. Face à relevância atingida pelos concentrados de tungsténio ibérico, de 1941 a 1944, na “economia de guerra” dos Aliados e, sobretudo, do Terceiro Reich nacional-socialista, consideram-se, igualmente, a política externa e as conceções geoestratégicas da ditadura chefiada por António de Oliveira Salazar; as ligações do nosso país às problemáticas do “ouro nazi” e do Holocausto; o modo como, depois de 1945, foram encarados entre nós a “comunidade germânica” e os “bens alemães”. Abordam-se, para terminar, as implicações da atividade extrativa ao nível do desenvolvimento local, regional e nacional; a presença ou a ausência do “volframista” e das “corridas ao tungsténio” na(s) nossa(s) memória(s) histórica(s). Mau grado o facto de, nas décadas de 1930 e 1940, Portugal ter vivido em ditadura, evocam-se, tanto as conceções e a intervenção das chefias executivas do regime, como as da Igreja e da “ação social católica”, de associações patronais e de organizações de profissionais liberais ou assalariados, de instituições de investigação e de ensino superior, dos mass media e das “comunidades rurais” envolvidas, das oposições ao “fascismo luso”. No plano internacional, remete-se, sobretudo, para a intervenção, nos âmbitos da gestão da “economia-mundo capitalista” e do conflito militar de 1939-1945, do Reino Unido e da França, da Alemanha e dos EUA, de Espanha.
 

Comentarios de usuarios - Escribir una reseña

No hemos encontrado ninguna reseña en los sitios habituales.

Índice

AGRADECIMENTOS
9
PREFÁCIO
11
INTRODUÇÃO
13
CAPÍTULO 1 CARACTERIZAÇÃO GENÉRICA DO VOLFRÂMIO ENQUANTO SUBSECTOR MINEIRO
33
CAPÍTULO 2 A EXPLORAÇÃO DO TUNGSTÉNIO EM PORTUGAL DURANTE A DÉCADA DE 1930
93
CAPÍTULO 3 O DOSSIER VOLFRÂMIO NAS DIVERSAS ETAPAS DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
1981
CAPÍTULO 4 TUNGSTÉNIO OURO NAZI E BENS ALEMÃES EM PORTUGAL DURANTE E APÓS O CONFLITO
1982
CONCLUSÃO
2002
ANEXOS
2002
DOCUMENTAÇÃO
2002
BIBLIOGRAFIA
2002
ÍNDICE DE QUADROS ESTATÍSTICOS
2009
ÍNDICE DOS ANEXOS
2012
Página de créditos

Términos y frases comunes

Sobre el autor (2010)

João Paulo Avelãs Nunes nasceu em 1965 e é Professor Auxiliar de História Contemporânea na FLUC. É, também, Investigador do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da UC. Licenciado em História (1987) e profissionalizado em Ensino da História (1989) pela FLUC. Defendeu a sua dissertação de Mestrado em História Contemporânea de Portugal em 1993 - A história económica e social na FLUC (1911-1974) - e a dissertação de Doutoramento em História Contemporânea em 2006 - O Estado Novo e o Volfrâmio (1933-1947). É membro das Redações da Revista Portuguesa de História e da revista Estudos do Século XX. Tem investigado e publicado em áreas como a história do CADC de Coimbra e das "organizações de juventude" do Estado Novo e dos fascismos, a arqueologia industrial e o património cultural, a história do sector mineiro e da Segunda Guerra Mundial, a história da Igreja e da "ação católica" portuguesa, a museologia e a didática da História. He was born in 1965 and is Auxiliary Professor of Contemporary History at the Faculty of Letters of the University of Coimbra and he is also a Researcher at the Centre for Interdisciplinary Studies on the 20th Century at the University of Coimbra. He completed a Degree in History in 1987 which was followed by training as a History teacher in 1989 at the above named institution. In 1993 he completed his Master’s in Portuguese Contemporary History with a thesis on the economic and social history of the Faculty of Letters of the University of Coimbra between 1911 and 1971. He obtained his Doctorate in 2006 in Contemporary History with a dissertation on “The Estado Novo and Tungsten (1933-1947). He is a member of the Editorial Board of the Portuguese History Journal and of the journal Estudos do Século XX. He has done research and published in areas such as the history of the Coimbra CADC and youth organisations in the Estado Novo and on fascism, industrial archeology and cultural heritage, the history of the mining sector and the Second World War, the history of the church and of the Portuguese “Catholic Good Works”, on museology and the teaching of history.

Información bibliográfica